Um Amigo Chamado Zé

Criado: Sexta, 16 July 2021 Escrito por João Capri

Um Amigo Chamado Zé

 

       A vida é como um trem sobre trilhos paralelos. Passa tão rápida, imperceptível, disposta numa linha tênue e frágil, podendo se  romper numa viagem. Assim sendo, nos transporta a uma partida rápida e precoce. O destino é o infinito desconhecido e Divino. Desse modo, acontece o nosso último itinerário.  Para onde vamos? Ninguém sabe; só sabemos que é pra outra e celeste dimensão...

         No último dia 13 de julho, esse presuntivo  trem, nos pregou uma terrível peça: levou pra não mais voltar, nosso amigo Zé Carlos Morcourt.

        Ah! Quanta tristeza! O nosso Zé se foi...

É. Ele foi morar com Deus, nosso Senhor. O nosso Pai de bondade o chamou.

E sua partida deixa uma lacuna imensa nos nossos corações.

Sabe amigo: você era um Zé especial;  cheio de alegria,  um amigo, que gostava de ajudar e participar de nossas vidas. Você, grande companheiro, não era um Zé qualquer. Era o Zé da gente,  dos amigos, dos  momentos bons e difíceis; o Zé da boa convivência.

        Era o Zé do nosso Ginásio Cristo Rei. O Zé da banda marcial e um dos corneteiros da mesma. Afinal, você fazia isso com um imenso prazer. Década de 60, sob a responsabilidade do nosso austero e exigente Padre Siqueira.

       Lá vinha a melhor Banda Marcial da cidade.

E nela desfilando, garbosamente, eu, o saudoso Chico Neves e você, nosso Zé. Era o respeitável trio dos corneteiros.

Que tempo bom e inesquecível, meu amigo... 

       Sabe, a saudade de você só aumenta a cada momento que o tempo passa. Cadê você, meu caro companheiro? Que é do tempo de  nossas aventuras estudantis?  Da conclusão do ginásio?

Daquela viagem a Paulo Afonso, patrocinada pelo nosso paraninfo Pe. José Cordeiro?

 Quantas histórias pra gente contar e relembrar, hein?

Agora, sem você, só nos resta lembrar tristemente do Zé que vai continuar sendo especial, mas vai ganhar outro prosômio. Passará a  chamar-se  Zé da Saudade. Você, meu caro, agora é História...e será lembrado pelo resto de nossas  existências, para sempre.

         Aí, relembramos que finalmente, em 2010, voltamos a conviver mais  frequentemente: você passou a fazer parte do nosso SAP, através do nosso inesquecível  Evandro Wanderley, o Mago.

Lembro que com seus esforços conseguimos   uma câmera filmadora profissional para as filmagens das festas e eventos da cidade,  como também, um moderno computador de última geração para utilização nos estúdios de programação dos programas on-line e ao vivo.

         Dessa maneira, você se tornava parte do nosso querido SAP, WEB e Rádio/TV,  inclusive como apresentador de dois programas que alcançaram consideráveis índices de audiência.

           Este era o Zé Carlos; tão especial e obstinado. O que ele mais queria era fazer parte do órgão  pioneiro de rádio difusão da região, e de sua querida  Pesqueira: o SAP.

            O  tempo e a enfermidade foram os responsáveis pelo afastamento de seus  programas na rádio Web. Sem mais condições de apresentar seus programas ao vivo, resolveu ausentar-se, mas sempre com o propósito de logo voltar.

        Convites não faltaram de Valdson, Souza, Aécio e, principalmente, eu.

         Mas, como todos já sabem, ele não voltou.

          Que pena! Que fatalidade! Que falta você fazia, grande Zé Carlos.  E vai continuar fazendo. Aos seus  familiares, irmãos, filhos, netos e sobrinhos, nossos sentimentos. Sabemos que não existem palavras pra traduzir nosso pesar nesse momento. Apenas orar e pedir a Deus por você, companheiro.

          Mas, o sonho não acabou, cara!

          Sabe, Zé do SAP... você se foi, mas nada impede que estejamos juntos em nossos corações e mentes para sempre.

       Afinal de contas, e apesar da tristeza, na sua viagem ao encontro de  Deus, como filhos legítimos do Criador, um dia, quem sabe, estaremos reunidos, fazendo novos programas musicais de Louvor a Deus, o Maestro Sublime, Divino e Celestial.

          Boa Viagem, Zé!

Que Nossa Senhora da Graça lhe conduza à presença do Salvador.

         Descanse em paz, amigo...

          E receba a homenagem  de agradecimento de todos   que fazem o SAP.

 

Autor: João Capri