O GALHO DO ARRUDA

Criado: Quarta, 30 December 2009

O ano de 2009 ficará na história como um dos mais complicados da década. Nem mesmo a crise econômica ou a gripe suína conseguiram fazer tantos estragos, quanto os escândalos políticos que aconteceram no país.

Mal começou o ano, tivemos aquela crise envolvendo Sarney. De pronto, os “bombeiros” de plantão, de olho em 2010, se encarregaram de apagar o incêndio político, cuja intensidade, causaria danos irremediáveis na base governista. Suplicy foi quem saiu desgastado. Lula adorou! Esse episódio, pelo menos, serviu para mostrar com quantos políticos covardes se faz um Congresso. Convém dar-lhes o troco nas próximas eleições.

Logo a seguir, tomamos conhecimento da farra das passagens aéreas, com parlamentares distribuindo bilhetes de viagens com parentes e agregados.

Tivemos também, pra variar, aquele sério bate-boca entre Ministros do Supremo. Uma vergonha, como diria aquele velho jornalista da TV.

A grande novidade foram as cassações de cinco governadores pelo Tribunal Superior Eleitoral.

Não dá para esquecer o caso das notas frias apresentadas pelo deputado Edmar Moreira, que gastou uma grana preta na construção de um castelo dentro do mato e nada declarou à Receita Federal.

Ainda está dando o que falar a crise política que envolve a governadora do Rio G. do Sul, que, segundo dizem perderá o mandato.

Em Brasília, capital federal da corrupção, o governador José Roberto Arruda foi flagrado com a mão na massa, ou melhor, na grana. Lembram-se do mensalão? Ele voltou com todo gás e agora, do outro lado do balcão.

Como se sabe, os mais antigos usavam um pequeno galho de arruda para dar sorte. Já Arruda, o “santinho” que certo tempo atrás fez traquinagens no painel eletrônico do Congresso, confessou o crime, chorou em público e foi perdoado pelos políticos. Seus eleitores o premiaram com o cargo de governador do Distrito Federal. Certamente, mais uma vez, o “galho do Arruda” será quebrado” e ele sairá impune.

Em Pernambuco, as manchetes ficaram por conta do escândalo das notas frias da Câmara de Vereadores do Recife.

Mais recentemente, os deputados festeiros ganharam as principais páginas dos jornais por causa das elevadas verbas gastas com festas realizadas em cidades do interior. O secretário estadual de turismo caiu. A troca de acusações continua e salve-se quem puder.

Para finalizar, a nossa Pesqueira passou o Natal sem prefeito, devido à cassação pela Justiça, da prefeita Cleide Oliveira.

Pelo exposto, o ano político não foi dos mais proveitosos para o Brasil, para Pernambuco e de quebra, para o nosso município.

Torcemos para que o mais breve possível a administração municipal entre no seu ritmo normal. Não há mais tempo a perder.

E, por falar em torcer, para nós, torcedores do Sport e para os do Náutico, se fosse possível, o ideal seria apagar 2009 de nossas memórias.

Mas a melhor atitude é ler e reler o excelente artigo O LUTO E A LUTA do ilustre alvirrubro Gustavo Krause publicado no JC do dia 30/11/05, sobre os desastres que se abateram sobre os nossos times naquele trágico ano.